Buscar

ÚTERO: UM TERRITÓRIO SAGRADO

Atualizado: 21 de Jun de 2019

A concepção e a consciência que envolve o cálice sagrado.


Pelo útero que te gerou.

Para o útero que está em você.


Tudo começa com a concepção e a consciência que envolve um cálice que é sagrado. Todas somos filhas e merecemos compreender como o útero reage às nossas escolhas. Ele registra as percepções da nossa alma com inteligência própria. É preciso compreendê-la.






Postura facilitadora para as reflexões deste texto:


Quero compreender o papel do meu útero, como ele funciona, porque sinto dores, porque o prazer não se apresenta para mim.




A essência de um útero é sagrada. Ele existe para gerar vidas. É um portal que traz pessoas de algum lugar para viver neste nosso Planeta Terra. Isso só acontece porque uma mulher concebeu e se doou para que um novo corpo se formasse a partir do seu próprio corpo. Um processo misteriosamente perfeito que cada uma de nós protagonizou e hoje está aqui.


Se você é mãe biológica ou apenas filha, não importa! O que acontece num útero lhe diz respeito.


Do nascimento à menarca [a primeira menstruação de uma menina], o nosso cálice permanece adormecido, aguardando silenciosamente até entrar em atividade. Ele respeita a nossa pureza e se prepara para todos os ensinamentos que nos serão necessários ao longo da vida.


Sobre algumas partes do nosso corpo nós temos domínio, mas sobre o útero não. Dotado de inteligência própria, não nos permite exercer domínio diretamente sobre ele; apenas indiretamente, por meio de escolhas conscientes.


Todas as nossas escolhas geram consequências em nós. As coisas que pensamos geram sentimentos que manifestarão em nosso corpo alguma consequência. Se pensarmos o bem e sentirmos coisas boas, permaneceremos fisicamente saudáveis. Do contrário, adoeceremos. É uma lei.


Mas e o útero? E o domínio que [não] exercemos sobre ele?


A maioria dos meninos, ao atingir certa idade, passa a viver em função da sexualidade. Tudo os remete ao que é sexual. A simples ideia de ver uma menina sem roupa é motivo de transpiração e delírio. O que querem os meninos? A calcinha! Precisam ver a calcinha! Mas não somente ela. Na verdade, querem ver o que ela esconde. Então, qual o real objetivo? A vagina. Querem ver apenas a vagina? Não, querem ver mais. Meninos mais novos querem apenas ver, pois não sabem o que fazer além disso. Então, querem ver lá dentro. O canal da vagina? Mais, mais,... Então é o útero o que querem ver? Porque depois do canal da vagina, encontrarão o útero.


Mas qual é a graça em ver um útero? :/


A graça é o que esse conjunto inteirinho será capaz de fazê-los SENTIR. E eles sabem disso desde cedo. Algo lhes diz que aquela calcinha não está ali à toa. Ela é o véu que encobre um lugar misterioso onde todo homem precisa estar. É ali que ele encontrará todas as forças das quais precisa para sobreviver. É naquele lugar quentinho e apertadinho que poderá desaguar e de onde sairá refeito. Então ele quer. Sente que precisa. E por isso viverá perseguindo esse lugar.


Em pensar que tudo começa com um olhar,... só uma olhadinha, uma espiadinha,...

Os homens não estão enganados. Há algo grandioso que os aguarda. Há um cálice pronto para acomodar uma porção especial de cada homem dentro da mulher que o aceitar. Então ele precisa ser aceito. Só que quem o aceitará é o útero.


Eis o domínio que apenas exercemos indiretamente.


Através de uma inteligência própria nosso cálice recepcionará ou não a porção especial do rapaz. Nós apenas nutrimos essa inteligência. Se a decisão de nos entregar parte de um sentimento verdadeiro, o útero se abre para a experiência. Mas se estamos motivadas por interesses, por uma busca insana por prazer ou em estado alterado de consciência, o útero-cálice NÃO compactua, se nega à experiência e se recolhe nas profundezas do corpo feminino, de onde nada o fará sair.


Esse é o processo que percorremos para encontrar o maior dos prazeres ou nos distanciarmos dele. O caminho do encontro ou do desencontro com o prazer verdadeiro é o mesmo. O que determina o acolhimento do homem pelo útero é o sentimento da mulher. E aí não há interferências racionais. Há, apenas, uma inteligência suprema que envolve todas as mulheres.


Nosso útero é poderoso! É nele que a vida se manifesta. É um portal sagrado. Todos os seres humanos que já habitaram o planeta Terra foram gerados nesse cálice. O óvulo-semente da mãe permite que o espermatozoide-semente do pai o adentre e, inacreditavelmente, uma vida se inicia. É lindo! É mágico! É sagrado! É a manifestação da força da criação!


A geração de uma vida [a sua ou do seu bebê] é milagrosamente perfeita. São tantas reações químicas e combinações minúsculas acontecendo a partir de uma fecundação que a mente humana quase não é capaz de acreditar. É impossível não se impressionar com tamanha perfeição.


Diz a sabedoria ancestral que a Grande Mãe Natureza, ao criar tudo isso, decidiu que a inteligência suprema conduziria tudo o que a inteligência humana não fosse capaz. Mas que a Mulher, na condição de co-criadora divina, teria a responsabilidade primordial de bem cuidar do seu cálice e de bem escolher a semente do homem que perpetuaria nela a existência humana.


E assim foi feito. O que acontece no interior do nosso corpo feminino é regido por uma força maior e por uma inteligência suprema. Coube a nós [apenas] as escolhas.

Todos os bons resultados das nossas escolhas nos elevam, nos deixam leves e felizes.

Toda dor, tudo o que não está bom, todos os resultados indesejáveis que a vida nos apresentou são frutos das escolhas que fizemos enquanto estávamos distantes dessa consciência.


Que bom que sempre é tempo de aprender!


Início | Próximo


#projetophilae #sexualidadeconsciente #uterocalicesagrado

87 visualizações

Todos os direitos reservados à Juliana Costa de Souza. Orgulhosamente criado com Wix.com